Skip to content

Green color

    Increase font size  Decrease font size  Default font size  Skip to content
Resenha Crítica de Livro Didático Imprimir E-mail
Escrito por Verónica Andrea González (GONZÁLEZ, V. A.) - Programa de Pós Graduação em Linguística Aplicada - Universidade de Brasília (PPGLA- UnB)   

MOREIRA, Aline, NASCENTE BARBOSA, Cibele, NUNES DE CASTRO, Giselle. Coordenação: MENDES, Edleise. Brasil Intercultural: Língua e Cultura Brasileira para Estrangeiros: ciclo básico, níveis 1 e 2. Buenos Aires, Argentina: Casa do Brasil, 2013.

Resumo. Este trabalho apresenta uma resenha analítico-descritiva das características de abordagem do primeiro volume, livro do aluno, da coleção Brasil Intercultural: Língua e Cultura Brasileira para Estrangeiros, produzido pela Casa do Brasil em Buenos Aires por uma equipe de professores sob coordenação de Edleise Mendes. Na resenha, são apresentados: um breve histórico sobre como surgiu a necessidade de a Casa do Brasil produzir um livro didático próprio, os princípios organizadores das unidades, os tipos de atividades e de insumo que compõem o material. Trata-se de uma obra valiosa para a história de elaboração de livros didáticos para o ensino e aprendizagem de PLE fora do Brasil.

Palavras-chave: Português Língua Estrangeira, Livro Didático, Abordagem

Abstract. This paper presents a descriptive-analytic review of the characteristics of the approach prevailing in the first volume of what is to become a series and the accompanying student book, “Brasil Intercultural: língua e cultura brasileira para estrangeiros”, produced by “Casa do Brasil”,  Portuguese Language Teaching School  in Buenos Aires, by a team of teachers under the academic coordination of Edleise  Mendes. In the review, a brief history of the needs of “Casa do Brasil” students is retraced while producing its own textbook, the organizing principles of the units, the type of activities and input that make up the material are presented. This is a valuable book for the history of PFL textbook development for teaching and learning Portuguese as a Foreign Language outside Brazil.

Keywords: Portuguese as a Foreign Language, Teaching Materials, Approach     

Introdução

“Brasil Intercultural” (BI) é uma coleção de livros didáticos para o ensino de Português como Língua Estrangeira (PLE) editada pela Casa do Brasil em Buenos Aires (Argentina). Em 2010, essa instituição comemorava seus 20 anos de trabalho e se transformava numa escola de referência para o ensino e a difusão da língua portuguesa ao oferecer à comunidade cursos de língua, cultura e, também, no plano da Formação Docente Continuada, congressos (como o Congresso SIPLE no ano 2008), seminários e cursos para professores. Nesse mesmo ano, a escola se transformou num posto aplicador do exame CELPE-BRAS e segundo um dos seus diretores, Fabrício Muller, isso os

[...] “obrigava” a ter o primeiro efeito retroativo já que a concepção e metodologia desse exame de proficiência eram bastante diferentes das utilizadas até então em nossa instituição, e por que não dizer também, na maioria das instituições[1] (comunicação pessoal).

Dessa maneira, a Casa do Brasil constatou a necessidade de produzir seu próprio material didático para atender às exigências e características avaliativas do exame CELPE-BRAS e satisfazer as necessidades dos alunos e professores da própria e de outras instituições que manifestavam a conclusão de não se identificar mais com os livros que chegavam do Brasil. A abordagem intercultural, o conceito de língua em uso, a oferta de diversos gêneros textuais e a focalização no público hispanofalante foram as necessidades identificadas para codificação do novo material. BI foi produzido por uma equipe de professores sob a coordenação da especialista acadêmica Edleise Mendes, da Universidade Federal da Bahia, e faz parte do acervo de livros didáticos para o ensino e aprendizagem de PLE elaborados fora do Brasil. A seguir, apresento um olhar analítico-descritivo das características de abordagem do primeiro volume da coleção, livro do aluno (Ciclo Básico). Entenda-se por abordagem (ALMEIDA FILHO 1997, p. 17, grifo meu) a

 [...] a força que orienta, e portanto, caracteriza em essência, todo um processo de ensino. Essa força advém das competências implícita (básica), teórica, aplicada e (meta) profissional do professor ou de quaisquer outros agentes ativos de ensino tais como autores de LD, planejadores de cursos, produtores de instrumentos de avaliação, pais, tutores etc.

A obra em si

Nesta resenha, refiro-me a Brasil Intercultural como uma coleção por tratar-se de 3 volumes de livros didáticos organizados por ciclos e níveis: BI Ciclo Básico (Livro do aluno e Livro de exercícios): Níveis 1 e 2, BI Ciclo Intermediário (Livro do Aluno e Livro de exercícios): Níveis 1 e 2 e BI Ciclo Avançado (Livro do Aluno e Livro de Exercícios): os Níveis 1 e 2 recentemente lançados no mercado editorial argentino. Considero que cada volume da coleção constitui um “livro didático” (LD) por tratar-se de um material impresso composto sequencialmente por conteúdos de gramática, vocabulário, pronúncia, funções, leitura, escrita, áudios e exercícios de produção oral. Cada volume traz o máximo de insumo para o nível e uma sequência de ensino e aprendizagem preconcebida (TOMLINSON, 1998, p. 9).

O livro do aluno do Ciclo Básico divide-se em 8 unidades. O Nível 1, composto pelas 4 primeiras unidades e o Nível 2 pelas 4 restantes: 0- Conhecendo o Brasil, 1- Interagindo em português, 2-Quebrando a Rotina, 3- Descobrindo o mundo, 4- Infância 5- Sonho de consumo, 6- Notoriedade, 7- Túnel do tempo. Ao lançar um olhar analítico quanto à abordagem do material, é possível perceber que os princípios organizadores da maioria das unidades são funções comunicativas e tópicos de gramática, vocabulário e fonética. Ainda que os nomes de algumas unidades sugiram temas, e o ensino temático seja um dos princípios organizadores das experiências do ensinar e aprender uma LE na Abordagem Comunicativa (AC), se o tema é dado para articular prioritariamente o uso de certas estruturas e vocabulário, o foco das unidades são temas do código linguístico e não o tema propriamente dito. Não obstante, quando as unidades estão organizadas por meio de tópicos, como “Infância”, por exemplo, é esse tópico que norteia as oportunidades/unidades de ação/comunicação na LE, o aprendizado dos temas em si, e como consequência, no andamento, a sistematização, o conhecimento do código. (ALMEIDA FILHO, 1993).

No entanto, ainda que as unidades do livro do aluno tragam temas que promovem majoritariamente a prática de certas estruturas e vocabulário, uma análise minuciosa das atividades permite identificar atividades pré-comunicativas e comunicativas também. Segundo Barbirato (1999, p.102), pré-comunicativas são as atividades ainda mais presas à forma do que ao significado, embora não sejam essencialmente mecânicas; elas preparam para atividades futuras mais livres, voltadas para o uso da língua. Para Littlewood (1986), esse tipo de atividades tem como objetivo principal produzir formas linguísticas de maneira aceitável e não comunicar significados. Assim, entre as atividades identificadas nas unidades com essas características, pré-comunicativas, estão: a- Interpretação de texto com opinião, b-Interpretação de áudio e vídeo, c- Questionários de opinião, d- Busca e reprodução de informação, e-Troca de informação, f- Produção de Gêneros textuais e g- Desempenho de papéis.

Os nomes dessa categoria de atividade parecem retratar oportunidades de comunicação genuínas, não obstante, elas seguem padrões tradicionais de pergunta-resposta e produção escrita/oral direcionada ao uso de determinados conteúdos linguísticos. A Figura 1 mostra uma atividade de produção de gênero textual pré-comunicativa, pois o foco da atividade é o uso do Futuro Imediato, preventivamente apresentado em insumo e teoria na página 44 da mesma unidade do livro (Unidade 2- Quebrando a rotina) e se bem que na vida real fazemos listas de objetivos, não estamos com a atenção voltada para a forma verbal usada na lista, mas para os objetivos em si a serem listados:

Figura 1- Atividade pré-comunicativa: produção de gênero textual (Lista)

Figura 1.jpg

 

22-Você arranjou um novo emprego e está muito motivado(a) a manter uma rotina equilibrada. Escreva uma lista com metas a serem atingidas no seu futuro trabalho.

 

 

 

 

 

Anotações: Eu vou chegar cedo ao trabalho sempre.

Fonte: Brasil Intercultural - Ciclo Básico (p.50)

Como afirmado anteriormente, o livro também apresenta atividades comunicativas (ainda que em porcentagem mínima), ou seja, atividades cujo objetivo principal é produzir significados, envolver os alunos em comunicação real, como na resolução de um problema, um jogo, uma tarefa ou a criação e execução de um projeto (STERN, 1992). As páginas 86, 102, e 125, das unidades 5, 6 e 7 respectivamente, apresentam atividades que estão mais próximas de tarefas comunicativas de interação social como desempenhar papéis (debate) e compartilhar e contar. E na página 76 há um jogo de adivinhação. A seguir, a Figura 2 retrata uma dessas atividades:

Figura 2- Atividade Comunicativa - Desempenho de papéis (Debate)

 

 

Qual é o custo de vida para morar em sua cidade. Discuta com seus/suas colegas o valor médio que vocês gastariam utilizando a moeda local de onde moram em: aluguel, alimentação, transporte, vestuário e entretenimento.

Fonte: Brasil Intercultural - Ciclo Básico (p.86)

Além de um número significativo de atividades pré-comunicativas, o livro apresenta uma quantidade semelhante (mas menor) de atividades de prática do código linguístico, como exercícios de preenchimento de lacunas com verbos e vocabulário, substituição, seleção e classificação de informação. Todas voltadas ao treino de conjugação de verbos, fixação de vocabulário e classificação de sons do português apresentados na teoria sobre o código em cada unidade e no apêndice gramatical.

BI oferece insumo em boa quantidade e qualidade em diversos gêneros textuais (orais, escritos e multimodais) com cortes e adaptações, de fontes autênticas (reais) como internet, jornais, revistas, CDs, entre outros. Entre esses textos encontram-se: artigos, fotografias, desenhos, músicas, frases célebres, poemas, vídeos, mapas. Nesses materiais são abordados aspectos que revelam elementos sociais, históricos e políticos que caracterizam a diversidade cultural brasileira. Um dos princípios da abordagem comunicativa é o uso desse tipo de insumo, no entanto, ele é melhor aproveitado quando usado em atividades comunicativas já que pode ser retrabalhado e recuperado no decorrer da/s unidade/s.

Algumas considerações

Esta resenha foi talvez mais analítica do que descritiva da obra em questão devido a que como professora de línguas seleciono meus materiais didáticos em função de princípios que constituem minha abordagem de ensinar e aprender, minha filosofia de trabalho, minhas concepções sobre língua, linguagem, língua estrangeira, aprender e ensinar. Por outro lado, esse olhar analítico-descritivo também quer dizer que não podemos apenas nos guiar pela descrição do livro feita pelos autores na apresentação, pois, às vezes, o que eles declaram não coincide com o que está codificado na obra.

Dessa maneira, após uma análise descritiva das características da abordagem do livro do aluno do Ciclo Básico, Brasil Intercultural, posso dizer que ele é um livro didático com atividades predominantemente pré-comunicativas e de prática do código linguístico, com algumas atividades comunicativas. Ou seja, BI é um material que promove o preparo do aprendiz para futuras atividades de comunicação, ainda com traços característicos da abordagem gramatical e insumo em boa quantidade e qualidade, autêntico, como sugerido pelos princípios da abordagem comunicativa. Logo, trata-se de um livro didático em transição entre a abordagem gramatical e a abordagem comunicativa, caracterizado nesta breve resenha como livro “pré-comunicativo”. Tomo como dado que esse LD constitui uma produção valiosa que marca um precedente na história do mercado de elaboração de materiais didáticos para o ensino de PLE assim como na história da filosofia de trabalho da instituição que o criou.

REFERÊNCIAS

  • ALMEIDA FILHO, J.C.P. “A abordagem orientadora da ação do professor”. In: ALMEIDA FILHO, J.C.P. (Org.). Parâmetros Atuais no Ensino de Português Língua Estrangeira. Campinas, Pontes, 1997.
  • ____________________. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas, Pontes, 1993.
  • BARBIRATO, R. C. de.  A tarefa como ambiente para aprender. Dissertação de Mestrado. Universidade de Campinas, São Paulo, 1999.
  • LITTLEWOOD, W. Communicative language teaching. An Introduction. Cambridge: CUP, 1986.
  • STERN, H.H. The communicative activities syllabus. In Issues and Options in Language Teaching. Oxford: Oxford University Press, 1992.
  • TOMLINSON, B., Materials development in language teaching. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.


[1]
  […] nos “obligaba” a tener el primer efecto retroactivo ya que la  concepción y metodología de dicho examen de proficiencia era bastante diferente a la utilizada hasta entonces en nuestra institución, y por qué no decirlo, en la mayoría de las instituciones.

 

Pesquisar