Skip to content

Green color

    Increase font size  Decrease font size  Default font size  Skip to content
6. Especificidades do Ensino de PLE Imprimir E-mail
Escrito por Marília Carvalho Batista – Professora universitária de língua portuguesa e linguística-DF e Yeris Gerardo Láscar Alarcón – Professor universitário de língua portuguesa e espanhola-DF - ISSN 2316-6894   

Resumo
O artigo inicia com a explicitação de especificidades do processo de ensinar Português na perspectiva de uma língua estrangeira (LE) ou língua segunda (L2), indicando, depois, diferenças entre ensinar essa modalidade e ensinar o Português como língua primeira ou materna (L1/LM). Nossa intenção, neste trabalho, é demarcar esse contraste no ensino dessas modalidades do Português para apoiar a política de implantação do PLE nas instituições e para fortalecer a formação do profissional que trabalha com essas modalidades da língua portuguesa. Na prática, queremos contribuir com o argumento de que o PLE é estratégico no país e merece ser incluído em todo e qualquer curso de Letras como disciplina ou atividade formativa importante do profissional da área da linguagem equipado para ensinar línguas. Concluímos que o PLE tem uma especificidade que não ocorre naturalmente aos profissionais e que sua introdução no currículo e como prática de ensino nas escolas e universidades precisa ser planejada com fundamentos.

Palavras-chave: PLE, definição de PLE, ensino de português como língua materna, política de ensino do PLE

Abstract

Portuguese as a foreign language (PFL) or as a second language (L2), indicating in the sequence the differences between teaching this modality and teaching Portuguese as a first language (L1) or as a mother tongue. In this article we intend to draw the contrasts among such modalities of the teaching of Portuguese to help establish policies for the teaching of PFL. This article begins with an exercise to turn explicit what is specific to the process of teaching universities, colleges or schools and to strengthen the education of professionals to operate in the field. In practice we wish to contribute to the argument that the PFL is strategic to the country and that it deserves to be included in every single Linguistics Course either as a discipline or as formative activity required of teachers of language to be. We conclude that PFL has a specific nature that does not spring out spontaneously from language teachers and that its introduction in the curricula must be planned for and be theoretically backed.

Keywords: PFL, definition of PFL, teaching of Portuguese as a mother tongue, policies for PFL teaching

 

Introdução

Uma língua natural equivale à produção e condição de vida real em sociedade. A língua se forma e se transforma nas e pelas relações sociais de indivíduos em coletividade, o que supõe uma forma de sociabilidade para que a língua emerja. Ela expressa, constitui e se desenvolve em realizações histórico-sociais e culturais, expressando depois a multiplicidade das relações sociais da dinâmica da vida. A sociedade está organizada em padrões de cultura, sendo essa base cultural o que sustenta a vida e a língua que a produz e a guarda em si mesma.

A língua revela um todo múltiplo numa pluralidade de mundos ou espaços. Assim, ensinar línguas é ensinar o social, o humano, o político, o histórico, o geográfico e o econômico de um povo, compreendendo sua cultura, sua identidade, sua diversidade, contradições e desigualdade de gênero, classes, religiões e emblemas pelos tantos que utilizam a mesma língua.

Nesse contexto complexo, as línguas constituem espaços culturais mantendo neles a vida. O Português é um desses espaços no mundo. Tida como a sexta maior língua do planeta em número de falantes e ainda em crescimento, o Português é uma de quase oitenta línguas que se desenvolveram plenamente na era do letramento que se instaurou com a invenção da imprensa no século XV. O espaço da lusofonia não é, contudo, exclusivo dos falantes naturais de Português. Qualquer membro de outros espaços de idiomas no planeta pode desejar circular pelo mundo em português. Pode circular como trânsito turístico ou de trabalho ou por escolha participativa à distância, inicialmente, adquirindo competência comunicativa nessa cultura e língua.

Para isso é normal solicitar os serviços profissionais de professores de Português com especialização na modalidade de língua estrangeira. O professor de Português como língua estrangeira está incluído numa categoria ampla que inicialmente quer dizer ensinador da língua portuguesa a quem pertence a outros espaços de língua e deseja conviver também no espaço da macro língua-cultura portuguesa. É preciso estar ciente, no entanto, de que língua estrangeira também guarda o sentido de língua de estranhos, língua de outros diferentes de nós e que essa estrangeiridade pode permanecer no esforço de ensino e aprendizagem causando debilidade do sucesso na empreitada porque a língua ficou estrangeirizada e não veio a habitar o aspirante a membro comunicativo do espaço do Português (ALMEIDA FILHO, 1993, 2010).

Apesar do conjunto teórico e metodológico, o processo de ensino de Português como LE depende muito das práticas adotadas, remetendo para o tipo de desempenho e de conhecimento específico do docente sobre o ensino de LE.

A formação do professor de língua portuguesa como língua estrangeira precisa ser diferenciada da formação do professor de língua portuguesa como língua materna (LM ou L1), pois o professor de LP não pode trabalhar num contexto específico ensinando o genérico de LM com pressupostos inadequados que indicam, por exemplo, uma análise voltada para a escritura e a leitura de antemão prioritárias, para o léxico e regras gramaticais em frases de pouca contextualização como é frequentemente praticado em sala de aula de LM.

Especificidades do ensino e da aprendizagem de PLE

Ensinar Lingua Portuguesa como Lingua Estrangeira (PLE) é considerar as profundas diferenças de uma tarefa profissional facilitadora de compreensão do Português e das culturas associadas a essa língua entre aspirantes a adquiridores desse idioma que pertencem a outras línguas e culturas. Ao professor de PLE cabe, portanto, reunir conhecimentos sobre a multiplicidade de usos desse idioma bem como uma capacidade de uso fluente dessa língua sob uma sensibilidade específica para compreender o neófito na língua e guiá-lo mediante materiais e procedimentos próprios nesse ingresso complexo ao universo de cultura e língua que compõe a lusofonia. Passa-se, assim, a compreender que o uso da língua vem de uma competência comunicativa transformada da competência já instalada noutra língua e que depende da interação do Eu com outro lusofalante.  A sala de aula de PLE precisa ser considerada, então, como um lugar de cuidadosa e compreensiva interação social e movimentação da língua portuguesa, reconhecendo limitações e estados afetivos muito singulares que a todo momento podem afetar o processo de aquisição e ensino dessa língua-alvo.

No bojo da língua portuguesa ensinada como língua estrangeira ou não materna, buscamos, neste momento, pontuar as especificidades de ensino de PLE. Tomaremos como ponto de partida o ensino de PLM ou PL1 para chegar às especificidades de ensino de PLE. Uma das obras a que faremos referencia é  “O português como língua não-materna: concepções e contextos de ensino” de Almeida Filho (2005) por revelar-nos alguns pontos cardeais para a descrição a que esse artigo propõe.

Cumpre salientar de imediato que, em se tratando de ensino de português como Língua Estrangeira, há uma dificuldade de compreensão do processo de ensinar, pois, para os profissionais (nativos) de LM ou L1, o processo de ensino para PLE pode parecer ser o mesmo de LM, passível de ser exercido com a mesma formação profissional de PL1. Levando em consideração essa dificuldade, relatamos a experiência de um dos autores deste artigo (CARVALHO BATISTA) que atuou como professora de PLE, tendo apenas, à época, formação em PLM.  Em suas aulas de PLE, a professora utilizava a mesma metodologia de aula de PLM, ou seja, suas aulas eram concentradas na construção sistêmica (gramática) da língua:

Minha experiência como professora de Português para estrangeiros não foi muito agradável. Na época, eu era professora de PLM em escolas na rede pública em Uberlândia, Estado de Minas Gerais, sendo conhecida como uma experiente professora de gramática. Recebi, então, um convite de uma amiga e colega que dirigia uma “escola de Idiomas” para ser professora de Português para um grupo de missionárias estadunidenses.

Ao tentar ensinar Português com enfoque na combinação de elementos sintagmáticos (sujeito, verbo, objetos direto e indireto, complementos, adjuntos) as alunas sentiam muita dificuldade em entender o sentido das frases que construíamos. E mesmo com muitos exercícios de fixação da forma, as alunas não conseguiam entender e falar o português.

 Seguia o mesmo método de minhas aulas de língua portuguesa das turmas de 6ª, 7ª e 8ª séries, utilizando exercícios do livro da 8ª série. Percebi que minhas aulas eram cansativas e improdutivas. Eu mesma ficava desmotivada. Tentei renovar, utilizando canções e textos de jornais seguindo minhas aulas de ensino médio.  Essa foi outra tentativa frustrante. As alunas não discutiam os textos, o que nos levava de novo para uma aula construída ao redor da gramática – léxico e sintaxe, principalmente.

Ninguém, à época, no meu círculo de amizades e relações profissionais possuía conhecimento de metodologias, métodos, materiais e abordagens de ensino de PLE. Minha graduação não previra qualquer disciplina, introdutória que fosse, direcionada ao ensino de PLE. Então, tanto minhas colegas de graduação quanto nossos professores da universidade não dispunham de conhecimentos sobre como planejar, e como agir numa sala de PLE. Fiquei apenas um mês com esse grupo de aprendentes, mas foi o suficiente para perceber meu total despreparo para conduzir o ensino de Português para estrangeiros.

Voltando, então, os olhos para o ensino específico de PLE, temos de diferenciar o ensino de LE e L2, contrastando-os com LM para ressaltarmos os diferenciados tratamentos de ensino que cada contexto requer. Segundo Almeida Filho (2005 p. 7, 9 e 10):

Uma L1 serve para a comunicação ampla desde a casa, passando para rua até a escola e os meios culturais. É a língua em que se constitui a identidade pessoal, regional, étnica e cultural de uma pessoa. Toda L1 se manifesta por meio de um dialeto (uma variante regional, muitas vezes, combinada com traços étnicos e de classe social).

Língua Estrangeira (LE) é uma outra língua e cultura a ela associada pela qual se desenvolve um interesse particular institucionalizado (escolar) em conhecê-la ou em aprender a usá-la.

Uma L2 é uma língua não-materna que se sobrepõe a outra(s) que não circula(m) socialmente em setores ou instituições ou que circula com restrições (nos contextos em que a L2 é requerida).

Essas definições nos mostram algumas evidências iniciais de que podem ocorrer incongruências ou forçar ajustes no ensino de uma categoria em contexto incompatível. Por exemplo, sobram dificuldades se tentarmos ensinar PLE como L1.  Ensinar PLE como L2, por sua vez, provoca mutações nas materialidades de ensino que podem ser benéficas, embora tragam novas exigências a professores e aprendizes.  A formação do professor de L1 não pode ser a mesma para se trabalhar com LE e L2. Essas evidências nos parecem fundamentais para pontuar as especificidades do ensino de PLE. 

Segundo Almeida Filho, ensinar L1 não é como “ensinar uma língua a quem não a possui” (2005 p. 8).  Uma aula de língua portuguesa não corresponde a ensinar essa língua a quem não sabe. Trata-se, melhor, de não ensinar a língua propriamente e, sim, de fazer o aprendente perceber-se enquanto cidadão na linguagem. Ensinar L1 é reconhecer as variantes da língua, facultando ao aluno o acesso à variante padrão. O ensino de LE começa distinto, como o tempo de aprendizagem do aluno – tempo de análise, compreensão, reflexão e aprendizagem da língua – é diferente do tempo de um aluno de L1. Pois, para o aluno de L1, o tempo é menor mediante que este já possui a lingua. Já para o aluno de LE exige um tempo maior para se significar, já que não possui a língua.  Trata-se aí de desembrulhar aos poucos, com compreensão da língua e compreensão da situação do aprendente, uma língua a quem não a possui como competência de uso, possibilitando aos alunos o desenvolvimento integrador deles nessa outra língua com sua(s) cultura(s). Ensinar L2 é facilitar a aquisição de uma língua familiar situada em uso no derredor, e que embora não dominada, serve logo para a comunicação em algumas esferas da vida. Não se pode ensinar L2 nos moldes de uma L1, pois os alunos não conhecem o suficiente da língua 2 para usá-la com desenvoltura e nem se pode ensiná-la como LE como se fosse uma língua estranha e totalmente desconhecida.  Para compreender melhor o escopo de uma L2, vejamos o que diz Almeida Filho (2005 p. 10):

quando ensinamos uma segunda lingua, estamos a facilitar     compreensões (simultaneamente de conteúdos e do próprio sistema da L-alvo).

Esse pode ser o clima em que se volta sempre a tratar da formação do professor.  Almeida Filho diz que para “ensinar profissionalmente PLE, a exigência primeira e mais abrangente é a de uma formação integral na área de L tradicionalmente nomeada Letras no Brasil”. (2005 p.11) Ao se explorar a visão dessa exigência, todos que tenham diploma no curso de Letras estão habilitados para ensinar PLE, mas:

Ela é menos suficiente ainda quando os formandos não contam com a inclusão em seus currículos de disciplina preparatória para o ensino de PLE/PL2. Essa condição está sendo crescentemente atendida na reforma dos currículos de Letras ora em processo de implantação no país.

O professor que não teve em sua graduação a disciplina de PLE se confronta com dificuldades e desorientação de como agir e fazer em sala de aula de PLE. Pois, o fato de serem falantes nativos não lhes garante o sucesso no ensino e na aprendizagem, porque falta o conhecimento de como ensinar uma língua para não falantes da língua portuguesa.  O posicionamento do professor em relação ao processo de formação em que está envolvido deve ser consolidado pela prática de ensino, na escolha de materiais e métodos adequados e nas inter-relações entre os participantes. Todos esses aspectos afetam o processo de co-construção da aprendizagem da língua.

Assim entendemos que a formação do professor de PLE é um ponto diferenciador e especifico para o ensino quer no contexto de língua materna quer no de língua não-materna (estrangeira ou segunda).

Devemos mencionar que o ensino de português como língua materna tem tradicionalmente considerado vital ensinar explicitamente os elementos gramaticais como mais importantes para o estudo e aprendizagem de língua. A gramática impera no ensino de PLM porque indica as relações das ideias expressas pelas palavras e que a construção consiste nas colocações que se pode fazer das palavras nas orações, impondo as regras que devem ser seguidas para que os alunos se enquadrem no padrão culto. O ensino de língua materna continua enraizado no ensino de gramática pela gramática, com pouca (ou muitas vezes sem) preocupação crítica por parte do professor com atividades de aperfeiçoamento de repertórios de linguagem em comunicação social. Segundo Matencio (2001 p. 66) há duas concepções do ensino de Lingua Portuguesa no Brasil, que são:

É consenso, nos estudos sobre o ensino de Português no Brasil, que, sobretudo até fins dos anos 1980, duas foram as concepções predominantes no ensino/aprendizagem de lingua materna: a primeira, e a mais tradicional, sugere ser necessário adquirir conhecimentos estruturais (sobretudo gramaticais) sobre a língua para que se aprenda a utilizá-la; a segunda pressupões que a aprendizagem de uma língua é decorrente de sua utilização.

Matencio (2001 p. 67) ressalta que estas duas concepções encontraram seguidores e o ensino de lingua portuguesa ficou dividido, “De um lado, há os partidários do ensino gramatical tradicional (...)  De um outro, encontram-se partidários do ensino de lingua portuguesa inovador, com o foco na leitura e produção de textos.”(2001, p.67).

O ensino de Lingua Portuguesa com o foco na leitura e produção de textos foi muito criticado por focar os princípios de não existir variante linguística melhor que a outra, e, por não existir erro linguístico, mas sim, adequação ou inadequação do ponto de vista social e cultural. E estas críticas favoreceram para “a manutenção da tradição gramatical (vinculada exclusivamente ao conhecimento da norma culta) nas escolas de educação básica.” (MATENCIO, 2001, p.68)

Com relação ao ensino de LE e L2 há uma preocupação crescente e inevitável com a situação comunicativa. Num contexto típico de LE a tendência é buscar uma abordagem de ensino comunicativa ou, pelo menos, gramatical comunicativizada. No contexto padrão de L2 a comunicação é quase inevitável, pois os aprendentes estudam já os conteúdos das disciplinas curriculares num meio linguístico do português. Como vemos, salienta-se o contexto como elemento que dita os sentidos ou a concepção de ensino da língua-alvo como LE ou L2.  Contextos de L2 ou de LE vivida como algo parecido ao de L2 incentivam as realizações de uma língua refletindo o uso da língua e não a língua enquanto norma que se memoriza.  Perceber a diversidade e trabalhá-las em sala, ouvir e dialogar com os alunos são meios de desempenho do aluno nas diversas situações comunicativas da vida real. Trabalhar mais a língua em uso, refletir sobre o material de ensino são propostas que uma LE/L2 utiliza para construir os ângulos nos quais se vivencia a língua-alvo. A língua como cultura é, então, um diálogo entre culturas. E ensinar é lidar com o diálogo entre essas culturas. Sendo assim, uma LE trabalhada numa perspectiva de uso da língua-alvo se aproxima da natureza de uma L2 e, assim, deve também lidar com o intercultural ou transcultural levando gradualmente a uma desestrangeirização da língua que se iniciou estrangeira (ALMEIDA FILHO, 1993 p. 11-12).

Uma reflexão deve ser feita para que se faça o melhor, o mais adequado, escolhendo uma abordagem que privilegie o desenvolvimento da comunicação dos alunos e o seu reflexo na Operação Global de Ensino de Línguas (OGEL). A abordagem comunicativa promove para o ensino de línguas a circulação natural da lingua a ser adquirida. O aluno no “modo adquiridor” nessa abordagem comunicativa caminha para a interação e compreensão com muita facilidade e motivação, possibilitando a aquisição de uma lingua-alvo. Almeida Filho (1997 p. 25)nos diz que

para além das características das concepções de língua/linguagem/língua estrangeira, aprender e ensinar línguas, a tentativa de análise de abordagem pode ser auxiliada pelo reconhecimento dos papéis e atitudes dos professores em sala de aula com seus alunos.

É possível, então, propiciar no espaço de sala de aula uma interseção das experiências de professores e aprendentes, forjando o reconhecimento de identidades que interagem e se reconstroem organicamente, movidas pela busca da inserção na nova comunidade linguística.

Quadro contrastivo entre o ensino convencional de PLM e PLE

Ensino de PLM

Ensino de PLE

Ensino da gramática da língua. (Mesmo que o estudo da Linguística tenha contribuído para uma nova percepção da língua ligada à sociedade e suas variações lingüísticas, e os PCNs atribuirem esse conceito para o ensino de PLM, impera em muitas escolas o ensino da gramática, porém alguns professores buscam formas de ensinar a gramática contextualizando em cada ambiente comunicativo.)

Ensino do uso da nova língua em pequenos contextos ilustrativos de como a língua funciona 

Ensino de língua-padrão (norma culta) sem considerar a existência de variações

Ensino duma variante padrão de prestígio e variações regionais (da professora, p.ex)

Produção da escrita com leitura sem muita atenção à oralidade

Oralidade tem de ser instaurada. Leitura e escrita vão entrando conforme as necessidades

Adquirir conhecimentos estruturais (gramaticais) sobre a língua para que se aprenda a utilizá-la corretamente

Língua adquirida para fazer e reconhecer sentidos.

Inadequação de concepção de L como forma. Mais correção em exercícios pelas normas padronizadas

Adequação do uso da nova língua do ponto de vista sócio-histórico e cultural, pois nele a norma padrão é naturalmente adequada

Abordagem de ensino enraizada na tradição latina via análise lexical e sintática. Exercícios de análise de combinação das palavras em orações. Exercícios de interpretação textual sem abranger com amplitude os pontos de vista múltiplos das vozes em sala de aula.

Foco no aluno, cuidando de aspectos afetivos. Interesses dos alunos consultados. Estimulo a trabalhos em grupo via tarefas e projetos

O que esse quadro demonstra é que as formas de ensino estão vinculadas às concepções da língua, de ensinar e de aprender essa língua.  Vimos que na perspectiva de PL2 o fator da comunicação social tem papel coercitivo na caracterização do contexto e que a aprendizagem da LM tem sido via de regra e tradicionalmente a aprendizagem de conhecimentos gramaticais (gramática normativa) e de gêneros textuais que imaginam contribuir para o desenvolvimento da leitura e escrita. Por outro lado para ensinar PLE devemos compreender a língua como um sistema linguístico-comunicativo que está em movimento no espaço da língua real e na percepção e registros cognitivos do aprendente.  As dimensões sociais da língua tendem a ligar com naturalidade a produção às variações socialmente motivadas.

Observa-se que o quadro nos permite compreender as diferenças entre práticas de sala de aula de PLM e PLE. Deve ser ressaltado que essas diferenças demonstram que o professor de PLM, mesmo conhecedor da língua, não tem mantido contato com a teoria de ensino de PLE. Como diz Gimenez e Furtoso (2002 p. 43),

A prática de sala de aula não é simplesmente a transposição de instrução e/ou técnicas apregoadas pelos acadêmicos. Reconhece-se que o professor atua segundo suas crenças e seus valores e que, estes, na verdade, funcionam como filtro do conhecimento teórico gerado por outros.

Parece-nos necessário observar que Gimenez e Furtoso constatam que a prática de sala de aula está ligada ao conhecimento do professor como prática de ensino, ou seja, o trabalho dos professores relacionado com quem eles são (identidade), em que acreditam (crenças) e quais os conhecimentos e competências que acionam em sala de aula (tipo de formação).

Baseando-nos nesse quadro encontramos as diferenças nas práticas que ecoam, justamente, nos cursos de formação de professores. Nesse aspecto, interessa-nos refletir sobre os currículos dos cursos de graduação em Letras no Brasil, sobretudo nas diferentes disciplinas para a formação de professor de PLE. O profissional de Letras, em formação inicial, deve ter acesso às teorias e metodologias que operam com as diferentes dimensões de ensino de PLM e PLE. Matencio (2001 p. 73) chama a atenção para as:

Polêmicas que dificultam que se faça, na formação de professores, a distinção essencial entre o saber sobre o objeto de estudo da disciplina científica, os saberes sobre esse objeto que se vinculam direta ou indiretamente à prática (portanto ao ensino) e o saber na prática do ensino.

A dificuldade está nos currículos do curso de Letras que não contemplam disciplinas de ensino de PLE, permitindo que o futuro professor não tenha conhecimentos específicos sobre as abordagens, metodologias, métodos e materiais utilizados para esse ensino. A não abertura de cursos ou disciplinas de PLE indica que o profissional não está bem capacitado para utilizar com segurança e competência o aparato de Teorias exclusivas para a formação de professor de PLE, segundo Matencio (2001 p. 71):

A criação de novas disciplinas, a adequação de ementas de disciplinas já constituídas e mesmo a reformulação integral do currículo de cursos de Letras em Letras em algumas universidades, representam tentativas de solucionar esses problemas na formação inicial dos professores de línguas. Entretanto, parece-me que o processo de legitimação dos estudos da linguagem no Brasil subjaz ainda à polêmica mudança nos limites disciplinares (e transdisciplinares) nos cursos de graduação em Letras.

Considerando que há apenas três cursos de graduação em PLE no Brasil, na UnB, na UFRJ e na UFBA, talvez resida aí um forte motivo do desconhecimento por parte da sociedade brasileira e até mesmo pelos órgãos governamentais que lidam com as relações políticas educacionais de ensino.  A carência de cursos de graduação em PLE implica lacunas de reflexão sobre o ensino de Português como LM e Português como LE na formação. E por isso os alunos procuram os cursos de Pós-Graduação para suprirem essa lacuna em suas formações. Segundo as autoras Maria Jandyra Cavalcanti Santos e Percília Santos (2002 p. 35):

Os programas de educação de professores/pesquisadores em Português Lingua Estrangeira em nível de Graduação nas universidades brasileiras, como os da UnB e os da UFRJ, são tentativas de resolver o problema de formação do profissional especializado na área que precisa ter mais do que conhecimento gramatical da língua portuguesa. Precisa do vivenciamento do aprender e ensinar lingua(s) estrangeira(s).

Por sua vez, a criação de cursos de graduação em PLE, ou implantação de disciplinas nos currículos, e a adequação de ementas ou mesmo reformulações do currículo podem ser soluções importantes para a formação inicial.  Isso possibilita que esse profissional tenha competência teórica e não apenas competência implícita. A criação de cursos de graduação em PLE implica o fortalecimento de uma política de ensino que esteja ligada ao crescimento econômico do país. O país que se fortalece, economicamente, não pode negligenciar a sua língua, que é a identidade de um povo, de uma nação. Expandir o ensino da língua portuguesa a falantes de outras línguas, institucionalmente, é demonstrar o amadurecimento político, econômico, social e cultural do Brasil no cenário nacional e internacional.

Considerações Finais

O foco da reflexão sobre as especificidades do ensino de PLE fez emergir a questão da formação do professor em função dos poucos cursos de formação ofertados de PLE. Revelando o contraste entre ensino de PLE e LM. A intenção foi ilustrar, pelo contraste, que o professor de LM conta com um conhecimento de uso da língua, mas não está  geralmente preparado para lidar com os métodos e abordagem de ensino de LE.

Essa rápida incursão sobre as especificidades do ensino de PLE revela-nos, também, que o português como língua estrangeira perpassa a multiplicidade cultural do Brasil, para que o aprendiz compreenda o modo de construção dessa língua. Isso retoma a visão intercultural do ensino de línguas. Dessa articulação resulta um enfoque de ensino que quer transformar os alunos em aprendentes comunicativos e culturalmente sensíveis.

Compreendemos que a formação do professor, a abordagem utilizada em sala de aula de língua, os materiais, a avaliação e o método traduzem o processo de ensino e aprendizagem. E esse é o primeiro passo para que o ensino de línguas inspire políticas promissoras de ensino de PLE no Brasil e no mundo.

Referências

  • ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes   O Português como língua não-materna: Concepções e contexto de ensino.Acervo digital do Museu da Língua Portuguesa. 2005.  Acesso 20/01/2012 às 22:30 <http://www.museulinguaportuguesa.org.br/files/mlp/texto_4.pdf>
  • _________________  (Org). Parâmetros Atuais para o Ensino de Português Lingua Estrangeira. Campinas: Pontes, 1997.
  • ______________ Dimensões Comunicativas no ensino de línguas. Campinas:Pontes, 1993.
  • CUNHA, Maria Jandyra Cavalcanti; SANTOS, Percília. Tópicos em Português lingua estrangeira. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.
  • GIMENEZ, Telma; FURTOSO, Viviane Bagio. Formação de professores de português para falantes de outras línguas: alguns apontamentos. In: CUNHA, Maria Jandyra Cavalcanti; SANTOS, Percília. Tópicos em Português lingua estrangeira. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.
  • MATENCIO, Maria de Lurdes Meirelles. Estudo da Lingua Falada e Aula de Língua Materna: Uma abordagem processual da interação professor/alunos. Campinas: Mercado Aberto. 2001.
 

Pesquisar