Skip to content

Green color

    Increase font size  Decrease font size  Default font size  Skip to content
Início Notícias Crescente interesse pelo português é "um avanço conjunto" da CPLP
Crescente interesse pelo português é "um avanço conjunto" da CPLP Imprimir E-mail
Ter, 28 de Agosto de 2012 16:35

A linguista brasileira Edleise Mendes é perentória: "O sucesso económico do Brasil e Angola está a puxar internacionalmente o interesse pelo português", mas o fenómeno traduz também "um avanço conjunto" da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa).

"Estamos a viver o `boom` do português e a crescer como bloco cultural e linguístico", realçou Edleise Mendes em declarações à agência Lusa em Pequim.

"Creio que o português nunca esteve em tão boa forma e a tendência é para crescer e crescer muito", acrescentou.

Presidente da Sociedade Internacional de Português-Língua Estrangeira (SIPLE), fundada há vinte anos no Brasil, a professora Edleise Mendes participou na semana passada em Pequim e em Macau num colóquio sobre o ensino do português e do chinês na China e na CPLP.

Foi uma iniciativa do Fórum de Macau para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e a CPLP, para "valorizar a expansão do português e as relações económicas e políticas" entre os dois blocos.

"O português é uma língua que tem valor económico e temos que aproveitar o momento económico e político para puxar os outros ganhos", defendeu Edleise Mendes.

Segundo também destacou, "há mais de 250 milhões de falantes do português no mundo inteiro" e o próximo Mundial de futebol, que decorrerá no Brasil em 2014, e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, dois anos depois, serão "um pontapé adicional na divulgação da língua portuguesa".

"Há centenas de pessoas a aprender português só por causa desses acontecimentos", indicou Edleise Mendes.

A especialista insistiu, contudo, que no espaço da lusofonia há "varias línguas em português" e não apenas a "variante" portuguesa ou brasileira.

"É muito rico falarmos a mesma língua e pertencermos a diferentes matrizes culturais", afirmou.

A CLPL é constituída por oito países: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, S.Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Pelas contas das contas das alfândegas chinesas, em 2011, o comércio entre a China e a CPLP cresceu 28,2 por cento, para 117,23 mil milhões de dólares (93,68 mil milhões de euros) - mais de dez vezes do que o valor registado há uma década.

A China tornou-se, entretanto, o maior parceiro comercial do Brasil, ultrapassando os Estados Unidos, e Angola já é o segundo fornecedor de petróleo à China, logo a seguir à Arábia Saudita.

No plano do ensino verificou-se idêntico `boom`: no final do século XX, em todo o continente chinês, havia apenas duas universidades com licenciaturas em português, em Pequim e Xangai; hoje, há mais de quinze.


Fonte: Observatório da Língua Portuguesa

 

Pesquisar